Textos Locais de Prática Links

A Unidade do Zen e do Chá

Vindo da China para o Japão nos meados do oitavo século, o costume de tomar chá ganhou popularidade iniciando-se pela aristocracia. No século 13, os monges Zen incorporaram o chá no treino zazen para o fim da concentração espiritual e boa saúde. A etiqueta formalizada da cerimônia do chá (sado) nasceu da conexão entre o Zen e o chá e se desenvolveu até a atualidade para transmitir o espírito do Zen.

Parte da cultura tradicional Japonesa, a cerimônia do chá ficoufamosa mundialmente. Esta reportagem especial explica a natureza do espírito Zen que foi herdada pela cerimônia do chá, a cerimônia em si e alguns apetrechos usados.

 

Por Shodo Takatori
Chefe da filial de Kofu do Sencha Caminho do Chá

 

Zen e o Chá

Na China durante o período Tang, o mestre Chan (Zen) Zhaozou (778-897) criou um koan ou enigma sobre os Três Drinques de Chá. E desde então, a relação entre o Budismo Zen e o chá tem sido profunda. Budistas - especialmente sacerdotes Zen - tiveram papéis importantes na introdução do costume de se beber chá no Japão: Saicho (767-822), Kukai (774-835), Eisai (1141-1215) e Bennen (1202-1280). O costume de beber chá foi organizado na cerimônia do chá pelo monge Zen Ikkyu (1394-1481) e por Murata Shuko (1422-1502), um discípulo de Ikkyu, que certificou-se que havia atingido a iluminação. Murata disse que, desde que a cerimônia do chá nasceu do Budismo Zen, os seus estudantes devem se basear na etiqueta Zen. Também disse que a cerimônia do chá incorpora o Budismo e que estudar a cerimônia do chá é uma maneira de assimilar o Budismo.[Incidentalmente uma cerimônia diferente do comum chamado sencha foi introduzida no Japão no início do século 17 por um monge Zen Chinês chamado Yinyuan.].

Por isso, muito do que hoje se pensa que é a cultura japonesa, tem suas raízes espirituais no Zen e se origina do grande florescer cultural dos séculos 15 e 16.

 

Fazendo o que Deve ser Feito Como Deveria ser Feito

Com 80 anos de idade, o mestre chinês Zhaozou era abade no templo Guanyinyuan de Zhaozou, onde por um período de 40 anos ensinou sua versão pessoal do Zen. A seguinte estória é sem dúvida ligada ao templo Guanyinyuan.

Certa vez um noviço veio até Zhaozou e perguntou, "Sou um noviço, você tem alguma instrução para mim?".

Zhaozou disse: "Já tomou o desjejum?".

O noviço respondeu, "Sim, já".

Zhaozou então disse, "Se você já terminou o desjejum, lave sua vasilha".
Em outras palavras, faça o que deve ser feito como deveria ser feito.

Este é o Budismo e é bem parecido com o que Keizan Zenji queria dizer quando disse, "Quando é hora para o chá, beba; quando é hora da refeição, coma".

A essência da cerimônia do chá é a mesma coisa. Uma vez que a lista de convidados é determinada, o anfitrião prepara tudo meticulosamente no mesmo dia em que os visitantes chegam. No dia da cerimônia do chá, checa mais uma vez para ter a certeza de que tudo está certo. Pendura o pergaminho e o arranjo floral na sala de cerimônia do chá. Varre o pavilhão de espera, rega as plantas na passagem do jardim e aguarda os convidados. Ele faz tudo o que deveria ser feito. De fato, diz-se que a cerimônia do chá consiste em fazer as coisas que deveriam ser feitas todos os dias na sua totalidade.

 

Adocicando o Chá com Bondade

É assim também na vida religiosa Budista. O monge do século 17, Gesshu tinha um discípulo chamado Tokuo Ryoko, que tinha um discípulo chamado Sogyo.

Original de Kai (moderna Província de Yamanashi) nos seus dias finais Sogyo fundou o Makigaya Shudo-in em Shizuoka. Morreu com a idade de 72 anos.

O seguinte ocorreu quando ele era um atendente de Gesshu no templo Daijo-ji em Kanazawa.

Nos grandes templos Zen, é costume o abade realizar regularmente uma cerimônia oferecendo chá para todos os monges em treino sob ele. Nos dias de Gesshu um grande número de monges estava treinando em Daijo-ji e mais de 100 deveriam estar atendendo estas cerimônias. Monges que estavam preparando o chá, certamente trabalharam como nunca. E parecia que o chá que Sogyo preparou era mais delicioso do que qualquer outro. Certa vez Gesshu comentou sobre isto e perguntou a Sogyo se havia adicionado alguma coisa no chá. Sogyo responde, "Sim. Adicionei um pouco de bondade".

Ele fez o que deveria ser feito, mas adicionou um pouco de bondade.

"Por favor, beba um pouco de chá"."Obrigado, está delicioso." O chá preparado com um coração de bondade é aceito com um coração de gratidão. Isto é o Budismo e a cerimônia do chá.

 

Feito com Bondade e Recebido com Gratidão

Uma vez dois noviços vieram tomar parte em um período regular de intensificada meditação e treino a ser realizado no templo Guanyinyuan de Zhaozou. Quando foram chamados para cumprimenta-lo, Zhaozou perguntou para o primeiro, "Já esteve por aqui antes?" O noviço respondeu que não. Zhaozou então disse, "Entendo, então beba um pouco de chá antes de ir".Perguntou então para o segundo noviço a mesma coisa. O noviço disse que já havia estado por lá antes, então Zhaozou disse a ele também "Entendo. Então beba um pouco de chá antes de ir".

O administrador do templo, que havia observado a conversa, disse para Zhaozou, "Entendo porque você disse para o noviço que nunca esteve por aqui para beber chá antes de ir. Mas por que dizer a mesma coisa para o noviço que nunca tinha vindo por aqui?" Zhaozou replicou, "Tudo bem. Beba um pouco de chá antes de ir".

Como qualquer estudante da cerimônia do chá sabe, este incidente é conhecido como os Três Drinques de Zhaozou ou o "Beba um pouco de chá e vá" de Zhaozou. Nas tigelas dos noviços em que ele colocou chá, Zhaozou adicionou um toque de bondade, de forma que, ambos pudessem aprender os ensinos Budistas e atingir a iluminação o mais cedo possível. A mesma esperança foi sem dúvida adicionada no chá para o administrador do templo.

O chá oferecido com sinceridade é recebido com alegria e gratidão. Esta é a cerimônia do chá em sua totalidade.

 

Reportagem publicada na revista "Caminho Zen", vol. 8,
nº 1-2003, pgs. 4-8, publicada pela Sotoshu Shumucho

Veja aqui os horários das aulas de Cerimônia do Chá, na Praça do Japão.
(atividade não ligada à Comunidade Zen-Budista de Curitiba)

Home